O Treinamento Como Suporte à Performance

O momento atual deixará sua marca pela alta velocidade no desenvolvimento da tecnologia e ciência a serviço das mais diversificadas áreas e objetivos. Esta mesma velocidade imprime no cenário que nos cerca transformações que demandam das organizações flexibilidade e adaptabilidade para que se destaquem em ambientes de incerteza e transformação.

Equipes de alta performance cada vez mais preparadas e em constante desenvolvimento constituem o diferencial competitivo das organizações de sucesso e é neste contexto que o profissional de Treinamento e Desenvolvimento conquista uma importância nunca antes alcançada. 

Importância esta que vem acompanhada de uma grande responsabilidade. A responsabilidade por oferecer não só programas de treinamento de qualidade mas treinamentos que ofereçam suporte à performance dessas equipes. E aqui é importante destacarmos que essas mesmas equipes são formadas hoje por indivíduos de diferentes gerações, com perfis e expectativas diferentes e que também aprendem por diferentes mecanismos. São muitas as variáveis a serem consideradas, e todas igualmente importantes para que tenhamos sucesso.

Entretanto, a grande mudança necessária diz respeito ao mind set de quem vai desenvolver estes programas. Bob Mosher e Conrad Gottfredson, propõe que o ponto de partida seja a análise do momento de necessidade da utilização de determinado conhecimento, ou conteúdo. Este modelo sugere cinco diferentes “momentos de necessidade” que precisam ser considerados para a escolha adequada do formato de treinamento a ser desenvolvido. Estes cinco momentos estão divididos em duas fases que são a aquisição ou aplicação do conhecimento adquirido.

A fase de aquisição de conhecimento diz respeito a aquisição de um novo conteúdo, algo que será visto pela primeira vez, ou ainda a necessidade de aprender mais sobre um determinado assunto. Temos assim, nesta fase dois “momentos de necessidade” diferentes.

Na fase de aplicação do conhecimento, encontraremos três momentos diferentes que podem demandar treinamento para que se alcance a performance desejada. Estes são o momento em que tentamos aplicar o conhecimento adquirido, quando algo não sai como previsto ou ainda quando alguma mudança ocorre.
Tendo como ponto de partida a observação e entendimento do momento de necessidade de nossa audiência, é o momento de fazermos a escolha pelo formato mais adequado para a que aprendizagem aconteça na hora em que é necessária, no formato eficaz para este momento e mais, no local em que se faz necessária para que a execução aconteça.

É justamente neste momento que precisaremos escolher entre a aprendizagem formal e a informal. Treinamentos presenciais ou a distância, metodologias convencionais ou inovadoras. É justamente neste momento que muitos programas falham no alcance de seus objetivos. Um dos erros mais comuns consiste na tentativa de “vestir” um ótimo treinamento presencial em outra roupagem, como por exemplo um e-learning ou ainda um treinamento auto-instrutivo. Formatos diferentes exigem linguagem diferente, design diferente, mind set diferente. 

Outro erro frequente diz respeito a suposições erradas, que muitas vezes fazemos baseados em mitos como por exemplo “pessoas mais velhas são mais resistentes à tecnologia e portanto não vão aderir a treinamentos em formato móbile”. Engano, o que faz com que a resistência diminua é a relevância do conteúdo, o quanto este conteúdo irá contribuir para a execução do trabalho que precisa ser executado. É claro que se faz necessário considerar novos conceitos que já provaram estar aqui para ficar e são grandes facilitadores, como por exemplo o “Gamification“. 

Fato é que temos a nossa disposição inúmeras ferramentas, entretanto nenhuma delas atingirá todo o seu potencial se for utilizada de forma isolada. Embora o termo “Blended Learning” seja relativamente recente, nosso aprendizado acontece no formato “blended” desde que o primeiro ser humano fez uso da escrita para transferir conhecimento ou compartilhar uma informação.

É a utilização equilibrada de diversas ferramentas e metodologias que irá garantir que o aprendizado ocorra da forma mais adequada para cada momento de necessidade. O simples tende a ser o mais eficaz e mesmo que um determinado recurso pareça encantador ele pode não ser o melhor para determinado público ou necessidade.

Avalie sua audiência, investigue o momento de necessidade quanto ao conteúdo que será aplicado. Escolha as metodologias e ferramentas que possibilitarão a você oferecer o conhecimento necessário no local em que é necessário e no formato adequado para a audiência em questão. Inclua alguma forma de aprendizagem social e mobile em seus programas e ao fazer o delineamento de seus programas estabeleça os indicadores que medirão o resultado.

Leave a Reply


Agenda #EscolaVivaSG