10 competências indispensáveis na alta liderança em 2019

Quais são as competências indispensáveis para as empresas decolarem em 2019? Este foi o questionamento que motivou o LinkedIn a analisar os anúncios de vagas postados recentemente na rede social corporativa com o objetivo de identificar as principais necessidades mercadológicas. Ao longo do desenvolvimento, o estudo foi dividido em duas categorias: habilidades comportamentais (soft skills) e habilidades técnicas (hard skills) – o que indica o surgimento de uma nova tendência organizacional na qual os dois estilos de conhecimento trabalham em conjunto em prol de um ambiente inovador.  

“O mercado vive a 4ª Revolução Industrial onde acontece um grande investimento em tecnologia com o intuito de automatizar os processos de manufatura a fim de gerar um padrão ágil e assertivo. Portanto, os profissionais precisam apresentarem certas características sociais para ocuparem as atividades que não podem ser robotizadas como usar a criatividade para solucionar um desafio capaz de salvar um negócio em uma situação crítica. Mas, eles também devem saber manusear os novos recursos tecnológicos com maestria para evitar possíveis falhas. É um momento que exige um mix de habilidades e a recomendação é que para alcançarem validação nas companhias estas competências devem ser inseridas de forma vertical. Ou seja, a partir da alta liderança”, afirma Flora Alves, CLO da SG – Aprendizagem Corporativa.

Quer saber em detalhes as tendências para a área de educação corporativa neste ano? Então, confira abaixo a lista do LinkedIn na íntegra com as impressões da especialista.

Soft Skills

Criatividade

Trata-se da facilidade que o ser humano tem para criar ou reinventar diante de qualquer necessidade. Ao trazer a competência para o ambiente corporativo, é comum associá-la ao ato de sair da caixa no qual o colaborador vai em busca de insights diferentes para elucidar os problemas da organização ao abrir-se para alternativas que nem sempre são encontradas no caminho padrão.

“Devido ao cotidiano apertado, às vezes parece impossível deixar o pensamento simplesmente fluir. Contudo, uma boa notícia é que ser criativo relaciona-se muito mais com o exercício de desenvolvimento do que com dom porque é um estado mental em que o aprendiz aprende a enxergar um cenário sob outras perspectivas. Normalmente, a habilidade surge no meio de uma ocasião conflitante onde é fundamental tomar uma decisão. Entretanto, as seguintes práticas auxiliam a desenvolver esta aptidão: fugir da rotina, descansar a mente e interagir com os colegas de trabalho”, explica Flora.

Persuasão

Quando se convence alguém a acreditar em determinados ideais, ocorre a persuasão. Esta habilidade é conhecida por usar gatilhos emocionais que provocam reações no outro advindas do inconsciente. “Persuadir significa superar qualquer objeção do cliente ou fornecedor sendo imprescindível para todas as empresas. E, os executivos não precisam se preocupar com a questão ética, pois a atitude diferencia-se da manipulação já que é feita por meio de argumentos coerentes responsáveis por agregar valor ao ouvinte”, revela a CLO.

Colaboração

Que a colaboração é uma das bases de uma companhia de sucesso, não é nenhum mistério. Afinal, manter o engajamento dos funcionários em um único objetivo é uma maneira de otimizar os negócios. “Além de beneficiar o âmbito individual, colaborar é um comportamento que traz reflexos aos resultados coletivos. Ao aprenderem uns com os outros, os trabalhadores formam uma rede dinâmica que simplifica os procedimentos. Logo, a iniciativa aumenta o nível de satisfação organizacional e a produtividade”, pontua a especialista.

Adaptabilidade

A adaptação é uma qualidade essencial em uma sociedade sujeita a frequentes transformações. A competência parte do princípio de saber lidar com cada episódio que despontar no dia a dia. “É um fator chave principalmente em casos complexos porque permite ter uma conduta positiva a fim de descobrir jeitos que melhorem o panorama”, exclama a CLO.  

Gerenciamento de Tempo

Infelizmente, o tempo (que era para ser um amigo) tornou-se uma espécie de pesadelo para os colaboradores que apresentam dificuldades de conciliar o cumprimento das tarefas com a jornada de trabalho – o que justifica a importância desta habilidade. “Gerenciar o tempo é uma garantia de que os planos irão sair do papel com excelência. Do contrário, pode causar um estresse que interfere tanto na saúde mental do funcionário como na produtividade organizacional. Neste contexto, o ideal é começar o dia com as prioridades,  separar na agenda breves intervalos entre as atividades e alimentar a concentração durante os afazeres”, diz Flora.

Hard Skills

Cloud Computing

A iniciativa refere-se a servidores remotos hospedados em datacenters que armazenam informações com o auxílio da internet. Logo, é a habilidade de trabalhar remotamente em qualquer hora e local. “As tomadas de decisão ficam constantemente a um toque. Esta flexibilização do negócio contribui para uma integração da equipe que otimiza o ecossistema organizacional”, ressalta a CLO.

Inteligência Artificial

Já foi-se o período em que a inteligência artificial pertencia exclusivamente aos conteúdos audiovisuais. Atualmente, a tecnologia que conta com algoritmos baseados em probabilidades encontra-se em serviços de chatbots, assistência pessoal e administração organizacional. “A solução que aumenta o potencial competitivo da organização é um braço direito no cotidiano corporativo, pois ao simular a inteligência humana ela acompanha o comportamento dos funcionários sendo capaz de tomar decisões”, declara a especialista.

Raciocínio Analítico A pessoa com um raciocínio analítico será a responsável por estudar os dados gerados diariamente pela empresa. “A chamada era da informação coloca os profissionais em um mar de dados que podem ou não serem valiosos. O colaborador destinado a cuidar destes conteúdos deve ter a competência de relacioná-los, filtrá-los e transformá-los em insights”, assegura a CLO.

Leave a Reply


Agenda #EscolaVivaSG